O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, criticou nesta quarta-feira (31) a proposta do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) de transformar as pastas da Cultura e do Esporte, além da Educação, em um ministério único.

Em nota, Leitão afirmou que a mudança “tem um paradigma que não me parece adequado: Guiné-Bissau”, país que teve um golpe de Estado em 2012 e conta com um Ministério da Educação, Ensino Superior, Juventude, Cultura e Esporte.

Na terça-feira (30), o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão (PRTB), reforçou a unificação, que seriam justificadas por uma necessidade de enxugamento dos gastos. O governo pretende ter 16 pastas, no máximo.